Que tipo de abordagem deve ser feita no evangelismo

"Para com os fracos tornei-me fraco, para ganhar os fracos. Tornei-me tudo para com todos, para de alguma forma salvar alguns. Faço tudo isso por causa do evangelho, para ser co-participante dele." (1 Coríntios 9:22-23)

Não há uma abordagem única para o evangelismo. Temos de aprender a nos adaptar à cada situação. Quando você estiver compartilhando sua fé, as pessoas tentarão atrapalhar a sua linha de raciocínio. Elas vão dizer algo do tipo como: "Olha, eu tenho uma pergunta para você. E sobre todas essas religiões diferentes? A que religião você pertence?" Ou: "E sobre a política? Em quem você vota? Qual é a sua opinião sobre este assunto?"

Estas são questões secundárias. Quando falo com alguém a respeito de Cristo, tento lidar com essas coisas, mas logo volto para a questão principal. Isso é o que Jesus fez com a mulher em Samaria, quando ela tentou mudar de assunto. Ele concentrou-se no que realmente importava. E é isso que precisamos fazer.

Quando você vai pescar, usa diferentes tipos de isca para diferentes tipos de peixe. E quando se trata de evangelismo, você pode enfatizar uma coisa mais do que outra com algumas pessoas. Inicialmente, ao se aproximar de uma pessoa e estabelecer contato com ela, você pode variar a sua abordagem. Mas, finalmente, você vai chegar à mensagem principal. Pedro, por exemplo, adotava uma forma muito diferente de apresentar o evangelho para os judeus (ver Atos 2) do que a forma que Paulo adotava com os não-judeus (ver Atos 17). Havia dois encontros e duas abordagens completamente diferentes, mas Pedro e Paulo passavam a mesma mensagem essencial.

Isso é tornar-se tudo para com todos. Paulo disse: "Para com os fracos tornei-me fraco, para ganhar os fracos. Tornei-me tudo para com todos, para de alguma forma salvar alguns." (1 Coríntios 9:22).

A questão é não constranger as pessoas, mas sim envolvê-las. É por isso que temos que nos adaptar.