Dez razões por que eu sou um pastor


 Lembro-me de ler a excelente biografia de  Iain Murray sobre Jonathan Edwards. Eu encontrei muito com o que me identificar, especialmente as angústias pessoais que Edwards suportou como pastor da mesma igreja por vinte e três anos. Depois de todo esse tempo, seu rebanho votou nele.
 Eu tenho sido o pastor da ADSA Brasil a quase 5 anos. Embora eu não imagine um destino como o de Edwards, sei o que é ser objeto de controvérsias, tanto dentro quanto fora da igreja.

   Eu já contemplei deixar o pastorado? Evidentemente, há momentos em que até mesmo a perspectiva de cavar valas para ganhar a vida tem um certo apelo. Mas sei que Deus me chamou para ser pastor, e nunca considerei seriamente o resgate.

   Alguém sugeriu recentemente que eu poderia deixar minha igreja se eu quisesse e ainda tivesse um ministério frutífero pregando no circuito da conferência da Bíblia e através do rádio, evitando assim os problemas de liderar uma igreja. Mas eu também não faria isso. Posso pensar em pelo menos dez motivos pelos quais continuo comprometido com o ministério da igreja.

1. A igreja é a única instituição que Cristo prometeu edificar e abençoar. Ele disse: "Eu edificarei a minha igreja, e as portas do inferno não prevalecerão sobre ela" (Mateus 16:18). O propósito de Cristo no mundo é chamar a Si mesmo um povo redimido que viveria para o louvor da Sua glória. Ele está construindo a igreja. Nisso, tenho grande conforto e confiança, grato por ter um pequeno papel na grande obra de nosso Senhor.

2. As funções corporativas do Corpo ocorrem na igreja. A igreja é onde Deus ordenou que Seu povo se reunisse para celebrar a Ceia do Senhor, adorá-lo e encorajar e edificar um ao outro. Minha alegria é chamar o povo de Deus para adorar, assim como o salmista disse: "Vinde, adoremos e nos prostramos; ajoelhe-se diante do Senhor nosso Criador. Porque Ele é o nosso Deus e nós somos o povo do Seu pasto" e as ovelhas da sua mão "(Salmo 95: 6-7).

3. Pregar é o principal meio humano que Deus usa para dispensar Sua graça. O apóstolo Paulo ordenou a Timóteo que "pregasse a palavra" (2 Timóteo 4: 2). Eu tenho o privilégio a cada domingo de proclamar a mensagem de Deus ao Seu povo - uma mensagem de graça, pela qual Deus salva as pessoas e transforma vidas.

4. Eu posso ser consumido com estudo e comunhão com Deus. Há um lado público para mim que a congregação vê, mas há um lado privado para mim que só Deus sabe. Embora eu possa pregar três horas por semana, estudo trinta. E aquelas horas gastas a cada semana na presença de Deus são um alto e santo privilégio.

5. Sou diretamente responsável perante Deus pelas vidas das pessoas que Ele me deu para pastorear. Como operador de máquinas , não sou pessoalmente responsável por pessoas para aplicar a Palavra de Deus. Mas como pastor de uma congregação, tenho um relacionamento com meu povo como o de um pastor e suas ovelhas. Eu cuido de suas almas como alguém "que dará conta" (Hebreus 13:17).

6. Eu também sou responsável perante as pessoas na minha igreja. Tudo está exposto a eles: minha vida e família, minhas forças e fraquezas pessoais - tudo. Eu aprecio essa responsabilidade. É um incentivo constante para eu refletir Cristo em tudo o que eu digo e faço.

7. Eu amo o desafio de construir uma equipe de liderança eficaz das pessoas que Deus colocou na igreja. Quando alguém começa um negócio, ele pode contratar alguém que ele quer. É outra coisa inteiramente construída com o povo que Deus chamou, quando poucos de nós são sábios, poderosos ou nobres pelos padrões do mundo (1 Coríntios 1:26). Deus revela a grandeza de seu poder, demonstrando que os ninguéns do mundo são seus recursos mais preciosos.

8. O pastorado abrange toda a vida. Compartilho a alegria dos pais pelo nascimento de um filho, assim como a dor das crianças pela morte de uma mãe ou pai. Eu ajudo a celebrar em um casamento; Eu também ofereço conforto em um funeral. Há uma imprevisibilidade inevitável que acompanha meu chamado - uma aventura incrível pode começar a qualquer momento. É nessas horas que o pastor vai além de seu sermão para ficar na brecha por Deus na vida de Seu povo.

9. As recompensas nesta vida são maravilhosas. Sinto-me amado, apreciado, necessário, confiável e admirado - tudo resultado de ser um instrumento que Deus usou no progresso espiritual de Seu povo. Eu sei que meu povo ora por mim e se importa profundamente comigo. Eu tenho uma dívida de gratidão a Deus por isso. Sinto-me honrado por ser um canal através do qual a graça de Deus, o amor de Cristo e o conforto do Espírito Santo podem se tornar reais para as pessoas.

10. Eu tenho medo de não ser pastor. Quando eu tinha dezoito anos, o Senhor me expulsou de um carro viajando a setenta milhas por hora. Eu caí de costas e deslizei 110 jardas na calçada. Pela graça de Deus eu não fui morto. Quando me levantei naquela estrada, tendo perdido a consciência, entreguei minha vida a servir a Cristo. Eu disse a ele que não resistiria mais ao que ele queria que eu fizesse, que era pregar a Sua Palavra.

   Deus me chamou para ser um pastor-professor "para o equipamento dos santos para o e trabalho de serviço "(Efésios 4:12). A recompensa de ser um pastor supera de longe qualquer frustração que eu possa sentir no ministério. E então eu digo com o apóstolo Paulo:" Eu prossigo em direção ao objetivo para o prêmio do chamada para cima de Deus em Cristo Jesus "(Filipenses 3:14).